Já falamos aqui várias vezes sobre a importância dos vídeos nas estratégias de marketing, com diversas dicas para a composição de conteúdos relevantes, afinal a Rush é uma produtora que está há quase 30 anos no mercado audiovisual e neste tempo acompanhou toda a sua evolução e o nascimento das mídias digitais. Contudo, além de um produto de qualidade, para se destacar no YouTube é preciso conhecer estratégias que ajudem a turbinar a relevância do material, fazendo com que se destaque entre os demais, já que a plataforma conta com o seu próprio sistema de busca. São as famosas ferramentas de SEO (Search Engine Optimization) cada vez mais usadas para a otimização de canais e vídeos, melhorando o posicionamento nos resultados da busca. O YouTube é a maior plataforma de vídeos da internet e o segundo mecanismo de busca mais usado, perdendo apenas para o Google, por quem foi adquirido e não por coincidência compartilha da mesma tecnologia. Por isso, é importante saber como otimizar o seu conteúdo por lá. Afinal, com tanta oferta de vídeos na plataforma, foi preciso organizá-los para que o usuário encontre facilmente o que procura, garantindo uma boa experiência de uso. A solução foi criar um algoritmo – que nada mais é do que um conjunto das regras e procedimentos lógicos perfeitamente definidos que levam à solução de um problema num número finito de etapas – capaz de rankear os melhores conteúdos para cada busca. Mais isso criou também um desafio para os canais que para assegurar mais visibilidade, precisam investir na otimização dos vídeos.

 

O que é SEO?

Conforme já explicamos acima, SEO é o conjunto de estratégias de otimização para aprimorar o posicionamento de uma página ou vídeo nos mecanismos de pesquisa (Google, YouTube, Bing, Yahoo! e Baidu), fazendo com que seja considerada a melhor opção entre as disponíveis ou, pelo menos, esteja entre as principais. As estratégias de SEO envolvem produção de conteúdo relevante, detalhes de programação, design e até relacionamento com outros sites.

Para explicar de forma bem suscinta e didática a mágica acontece assim: quando o usuário digita alguma palavra no campo de pesquisa de uma destas plataformas de busca, seus robôs reviram os canais e vídeos para entregar a ele os resultados mais adequados, em ordem de relevância. E para esta seleção o algoritmo considera diversos fatores. Um deles é o próprio histórico de pesquisa e de navegação do usuário, mas este não é p único critério. São considerados ainda o engajamento e as ferramentas de otimização usadas pelo canal. Sendo assim, se o vídeo tem os campos de título, tags e descrição bem preenchidos a tendência ´que esteja melhor posicionado do que aqueles que não adotam a mesma estratégia. É quando dizemos bem preenchidos, estamos nos referindo a uma boa descrição, clara e objetiva, um título que seja instigante e tags relacionadas ao conteúdo. Obviamente, que comentários e curtidas também ajudam a dar um impulso extra.

 

Dicas

Mas não se iluda, não existe fórmula do sucesso. São muitos os elementos considerados para determinar o rankeamento. Entretanto, existem algumas providencias que, certamente, são bastante úteis para ajudar um vídeo a ganhar relevância. Afinal, quanto melhor o desempenho com o algoritmo de pesquisa do YouTube, maiores as chances de alcançar as primeiras colocações. Por isso, vamos listar algumas providências fundamentais.

 

1. Palavras-chave

Palavras-chave são imprescindíveis no SEO do Google e YouTube. É através delas que as plataformas identificam o assunto do vídeo e promovem a sua indexação para associá-lo às buscas dos usuários. É por isso que elas devem estar presentes no título, tags e descrição, por exemplo.

Para identificar as palavras-chave mais adequadas para cada caso, uma dica valiosa é usar o autocomplete da barra de busca, uma ferramenta do próprio YouTube, que indica os termos que costumam ser mais procurados na rede. Só vale lembrar que as palavras-chave devem, necessariamente, ter relação direta com o conteúdo do vídeo. E se quiser investigar a concorrência, basta abrir o código-fonte da página do vídeo, clicando com o botão direito do mouse, e procurar as keywords dentro do código. Outra providência é analisar as estatísticas do próprio canal. Dentro da análise de origem do tráfego, estão listados os termos mais usados para chegar até os vídeos ali postados. O Google Trends ferramenta gratuita do Google que mostra tendências de pesquisa e identifica temas em alta, é outro aliado poderoso, sendo, inclusive, possível filtrar apenas buscas no YouTube.

Com as Keywords em mãos e hora de fazer a seleção. Mas lembre-se: as palavras mais buscadas, as mais populares, são também as que têm uma maior concorrência. O jeito aqui é optar por aquelas que tem um bom potencial de alcance, que no jargão da internet são conhecidas como long tail ou cauda longa. E como o próprio nome sugere são mais longas, compostas por três ou mais palavras, representando uma busca específica, como: produtora de Campinas, produtora audiovisual Campinas.

 

2. Título de vídeo

Com as palavras-chave em mãos, é hora de pensar num bom título, que deve estar o mais próximo possível da busca do usuário. Um estudo realizado pela Briggsby, empresa que produz e promove vídeos para as Redes Sociais, analisou a correlação entre posicionamento dos vídeos na busca do YouTube e os fatores envolvidos neste desempenho e percebeu que os canais que ocupavam os primeiros lugares das buscas costumam utilizar uma correspondência exata entre as palavras-chave e o título do vídeo. Lembra-se da long nail que acabamos de mencionar? A pesquisa revelou ainda que títulos mais longos tendem a ter um desempenho inferior, uma vez que os títulos dos primeiros colocados têm, em média, 47-48 caracteres, com o máximo de 100 caracteres.

 

3. Tags

As tags são os marcadores do vídeo. E aqui, ao contrário do Google, que devido aos spams não utiliza mais este fator nos seus rankeamentos, no YouTube elas são fundamentais, ajudando na identificação do assunto para uma indexação correta e também na recomendação de vídeos relacionados, que são uma importante fonte de tráfego. Neste campo, o YouTube permite até 120 caracteres, que podem estar divididos entre 6 a 8 palavras. Para evitar que o algoritmo se confunda com termos que se distanciem do conteúdo do vídeo, escolha muito bem as tags a serem utilizadas.

 

4. Descrições

A descrição é outro campo de grande relevância e deve sempre ser preenchido durante a postagem do vídeo com informações precisas sobre o seu conteúdo, da maneira mais descritiva possível. Ao contrário do título, aqui a plataforma oferece até 5.000 caracteres. Como seu trecho inicial aparece nos resultados da busca, uma descrição atraente, com os principais dados logo no início, é fundamental para aumentar o engajamento. Além disso, como já vimos, a descrição serve para ajudar o algoritmo da plataforma identificar conteúdo do vídeo e por isso deve também contemplar as palavras-chave.

 

Rush Vídeo – Idéias em Movimento