Filmes, fotos, músicas, pinturas, esculturas, o universo da moda e das histórias em quadrinhos, entre outras matrizes, são fontes de inspiração para composição de novas obras e ainda servem para reverenciar a criação original e homenagear seus autores. A série “Stranger Things”, sucesso da Netflix, que acaba de estrear a sua quarta temporada, faz uma viagem ao túnel de tempo, compondo um verdadeiro mosaico de referências, numa celebração a cultura pop. Ambientados nos anos 80, os episódios remetem a grandes sucessos da época e identificá-los acaba sendo uma atração à parte para os fãs da sétima arte, como é o caso da equipe da Rush Video, produtora de conteúdo audiovisual, localizada em Campinas, interior de São Paulo.

 

Ícones dos Anos 80 Voltam à Cena

Sob a batuta dos irmãos Duffer, responsáveis pela criação, produção e direção, a atração vem desde a primeira temporada nos brindando com referências e easter eggs, que são pequenos detalhes que fazem alusão a outras produções, colocados intencionalmente dentro da obra e captados por fãs e espectadores mais atentos. No caso da quarta temporada de “Stranger Things”, grandes sucessos dos anos 80 e 90 voltam à cena. A começar pelo vilão, que é claramente inspirado em Freddy Krueger, que em “Hora do Pesadelo” atacava suas vítimas durante o sono. Agora, Vecna, o vilão da vez, entra na mente de suas vítimas durante uma espécie de transe. Inclusive, Robert Englund, intérprete de Krueger, faz uma ponta na série como Victor Creel, que está preso acusado de chacinar a família. Numa das cenas, aliás, duas personagens vão conversar com Creel, lembrando muito o primeiro encontro entre Clarice (Jodie Foster) e Hannibal Lecter (Anthony Hopkins) do cultuado “O Silêncio dos Inocentes”, um misto de drama, suspense e terror.

 

Homenagem a Clássicos Geek

Outro clássico do cinema que dá às caras nesta nova temporada é “Carrie, A Estranha”, de Brian de Palma. Aqui o banho de sangue de porco da personagem título em pleno baile de formatura é substituído por um copo de milk-shake arremessado contra a protagonista, Eleven, numa na pista de patinação, outro ícone dos anos 80. E até mesmo a saga “Star Wars” se faz presente quando Dustin e Mike mencionam o “lado sombrio da força” ao comentar a opção de Lucas pelo time de basquete em detrimento do clube de RPG e também quando Dustin repete uma fala do personagem Han Solo ao jogar os dados durante uma batalha do jogo Dungeons & Dragons no clube de Hellfire: “nunca me diga as probabilidades”, diz. Já a franquia geek, “O Senhor dos Anéis” ganha uma citação quando Eddie, compara a missão de encontrar o portal de acesso ao mundo invertido, um dos cenários da série, como uma caminhada até Mordor, a fortaleza onde fica guardado o “um anel”.

 

Humor e Aventura

E apesar dos contornos sombrios, esta temporada encontra alívio cômico no arco estrelado por Winona Ryder, estrela dos anos 80 que voltou ao estrelato graças ao seriado onde vive a mãe de uma trupe de adolescentes que, agora, se vê envolvida numa série de peripécias para salvar o namorado das garras da

KGB, afinal a trama se passa em plena Guerra Fria, e assim conseguir a ajuda necessária para salvar os filhos e o mundo. Suas aparições nos remetem as aventuras de Indiana Jones, personagem da série de filmes criado por George Lucas e Steven Spielberg, em homenagem aos heróis das produções de ação dos anos 1930. O ator e humorista Brett Gelman, intérprete do personagem Murray Bauman, companheiro de cena de Winona, durante uma mesa redonda para a imprensa chegou a declarar: “Para mim é insano, eu sempre sinto que nesta quarta temporada de Stranger Things há essa energia que eu acho que é muito Indiana Jones, constantemente equilibrando a tensão da aventura com humor”, afirmou. “Tem também essa dinâmica Luke-Leia-Han – em referência ao trio de heróis de Star Wars – que eu acho que realmente é uma energia que está constantemente fluindo nas cenas entre mim, Winona e David Harbour. Mas, eu estou sempre pensando em Indiana Jones”, concluiu.

Mas as inúmeras referências de “Stranger Things” não param por aí e, como já dissemos, encontrá-las é parte da experiência proposta por seus criadores e a habilidade de combiná-las numa história inédita, repleta de ação e aventura, é certamente um dos segredos do seu sucesso, ainda que nem todos sejam capazes de identificá-las.

Rush Video – Ideias em Movimento.