As tendências apontam um caminho a ser seguido, um possível cenário construído a partir de pesquisas e análise do comportamento dos consumidores. Dentro deste contexto, o futuro do audiovisual parece bastante promissor, afinal uma verdadeira revolução se processa diante dos nossos olhos, com um desenvolvimento, sem precedentes, da quantidade, qualidade e finalidade dos conteúdos, hoje utilizados para apresentar desde ideias, empresas e produtos, passando pela educação, até chegar ao suporte a clientes. Pesquisas revelam que atualmente mais de 80% do tráfego da internet é gerado por vídeos. A Rush Vídeo, produtora de Campinas, interior de São Paulo, que há mais de 25 anos atuando no segmento, ao longo de sua trajetória vem acompanhando estas transformações, se mantendo sempre atualizada, tanto na parte técnica como criativa, para oferecer aos seus clientes os melhores produtos e serviços, alinhados com o que há de mais moderno neste mercado.

A seguir, listamos algumas tendências da produção audiovisual.

 

Inteligência Artificial

A tecnologia caminha a passos largos e o uso da Inteligência Artificial (IA) na vida cotidiana dos consumidores já é uma realidade. A tendência, aponta os especialistas, é que outras áreas, como o audiovisual, comecem a fazer uso deste recurso para aprimorar a interação com seus clientes, parceiros e colaboradores. Deep Fake, Machine Learning, Deep Learninge e Neural TTS são algumas das ferramentas de IA que, em breve, integrarão o portfólio das produtoras. Em síntese, bastante simplificada, são recursos que permitem armazenar quantidades imensas de dados, compor roteiros personalizados para diferentes demandas, bem como integrar serviços cognitivos de vozes neurais aos conteúdos, que são capazes de criar vozes realistas em diversas entonações e em várias línguas a partir de qualquer texto. Sim, estamos falando de locuções com o uso de Inteligência Artificial. Neste sentido, as iniciativas ainda são pontuais e incipientes, para usos específicos, mas é inegável o seu potencial. Já as questões que permeiam o assunto, certamente serão objeto de outros artigos específicos e tema de muito debate.

 

Equipes Pulverizadas

Qualquer profissional do segmento audiovisual sabe que uma produção, independente da sua finalidade e duração, é um trabalho de equipe. Quanto maior o projeto, mais gente envolvida. Contudo, a pandemia provocada pela Covid-19 acabou impondo restrições e descortinando um universo de possibilidades pouco exploradas anteriormente. O trabalho remoto, de repente, se tornou uma realidade para áreas distintas. E o segmento audiovisual não foi exceção. Com as medidas de distanciamento social, as produtoras tiveram que encontrar novas formas de continuar trabalhando. O jeito então foi recorrer a captação de imagens por equipes locais, eliminando a necessidade de deslocamentos. Remotamente, por reuniões de vídeo, por exemplo, o diretor de cena e toda a equipe de produção vai pautando os profissionais terceirizados. A experiência, inclusive, demonstrou que, dependendo da complexidade do

projeto, a uma iniciativa é capaz de reduzir custos e enxugar prazos, sem comprometer o resultado e ainda gerando oportunidades para profissionais distantes dos grandes centros.

 

Materiais diferenciados

Outra consequência da pandemia foi a popularização dos conteúdos em vídeo. De repente, trancados em casa por conta da quarentena, todo mundo se tornou um potencial produtor de conteúdo audiovisual. A consequência disso é que hoje para se destacar é preciso investir na produção, desenvolvendo um produto personalizado, atraente, capaz de encantar, engajar, oferecendo uma experiência única. Os comerciais tradicionais perderam espaço nas redes. É a vez do storytelling. Agora, mais do que apresentar um produto ou serviço, é preciso inseri-los num contexto e a partir daí contar uma história que desperte interesse no consumidor. Só assim é possível driblar a concorrência.

 

Motion Graphics

Com a ascensão do audiovisual, o Motion Graphics se tornou um recurso que deve ser cada vez mais utilizado. Mais dinâmico e didático que outras formas de vídeo, ele trabalha com animação e design para construir uma narrativa mais eficiente e atrativa, fazendo uso de uma linguagem que mescla conceitos de design e cinema. Em outras palavras, é uma maneira de fazer com que círculos, linhas, textos, ícones e outras formas e desenhos se movam na tela. Portanto, um recurso indispensável para criar narrativas mais eficientes e atrativas.

 

Educação à Distância

Mesmo antes da pandemia, a tendência de crescimento do ensino a distância (EAD) na educação superior brasileira vinha se confirmando a cada ano. Em 2019, 63,2% das vagas ofertadas foram nessa modalidade, sendo a primeira vez na história que o número de ingressantes em cursos de EAD ultrapassou a quantidade de estudantes que iniciaram a graduação presencial. Os dados são do Censo da Educação Superior de 2019, divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e pelo Ministério da Educação (MEC). Com a pandemia, o EAD se tornou a única forma possível de manter alunos, de todos os níveis, estudando. Se confirmou também como uma tendência assertiva para a capacitação de colaboradores por empresas e até uma forma de acessar clientes através de vídeo tutoriais. Cursos dos mais variados temas também se proliferaram. Ou seja: o EAD se consolidou e deve continuar sendo utilizada, seja na educação formal ou para cursos livres e treinamentos. A tendência abre um universo de possibilidades para as produtoras e lança o desafio de montar aulas cada vez mais dinâmicas e atraentes.

 

Acessibilidade audiovisual

Plataformas audiovisuais com audiodescrição, legendas e tradução em libras hoje são recursos indispensáveis, pois além de conferirem acessibilidade, promovendo inclusão e igualdade ao ajudar inserir pessoas com deficiência aos conteúdos (segundo o IBGE, cerca de 28 milhões de

brasileiros possuem graus de surdez e 6,5 milhões possuem deficiência visual) também são úteis para facilitar o entendimento. Neste ponto, vale ressaltar os dados sobre os consumidores multitela e multiplataforma. Só para exemplificar estes novos comportamentos, de acordo com um levantamento do Ibope Conecta, 95% dos internautas brasileiros assistem TV e navegam na internet ao mesmo tempo. Desse percentual, 53% têm o hábito de acessar as redes sociais enquanto assistem TV. Ou seja: é expressivo o número de pessoas que assistem um vídeo enquanto dividem a sua atenção com outra fonte de informação, além disso as legendas podem ajudar a reter os dados apresentados.

 

Enfim, à medida que as mídias vão se proliferando e se popularizando, a linguagem audiovisual vai passando por transformações para adequação dos conteúdos. E aqui técnica e a criatividade vão caminhando lado a lado para juntas desenvolverem novas tendências, capazes de encantar cada vez mais uma audiência sempre ávida por novidades.

 

Rush Vídeo – Ideias em Movimento