A pandemia pegou o mundo de sobressalto e o confinamento acabou por exigir competências socioemocionais em altíssima performance e, claro, a maioria esmagadora dos mortais não estava preparada para o desafio. Da noite para o dia, literalmente, o ambiente corporativo se desfez, as salas de aula se esvaziaram e as famílias, que até então desfrutavam de raros momentos de convivência cotidiana, passaram a coexistir juntos vinte e quatro horas por dia. E o que a princípio foi visto como uma oportunidade única de convívio, com o passar dos dias foi se transformando num pesadelo. Os adultos, além das atividades laborais impostas pelo home office, das preocupações com a economia e a saúde da família, afinal todo o cenário é decorrente da ameaça de contaminação por um vírus, das infindáveis e exponencialmente multiplicáveis tarefas domésticas, muitos se viram forçados a dar conta da educação dos filhos, acompanhando uma maratona de aulas on-line e toda sorte de problemas decorrentes de um novo formato de educação forçado a se estruturar em um exíguo espaço de tempo. Ensinar é uma arte dominada por poucos privilegiados, foi das inúmeras lições deixadas pela COVID-19. O tempo, de repente, encolheu. A vida virou uma grande maratona diária, com fusos horários desconexos e jornadas acima da média usual. Muitas empresas perceberam rapidamente que para seus colaboradores conseguirem dar conta de tudo e ainda manterem a sanidade mental necessária seria preciso investir em treinamentos e capacitações que auxiliassem no acesso e evolução de competências que extrapolam a esfera técnica. Era preciso modificar e incrementar seus programas de treinamento durante o isolamento social, adaptando para a realidade do trabalho remoto e investindo em temas mais relacionados ao desenvolvimento dos indivíduos, mostrando como conciliar todas as exigências de ordem prática e ainda lidar com o medo e a ansiedade. É neste ponto que a Rush Vídeo, produtora de video em Campinas, entra na história e entende que o momento pedia uma revisão dos protocolos de trabalho para que a sua equipe pudesse, atuando em segurança e à distância, atender a uma demanda crescente de clientes para a produção de videos motivacionais e de desenvolvimento pessoal e profissional.

Nova Parcerias

E foi assim, em meio ao cenário de isolamento, que a Rush iniciou uma bem-sucedida parceria com a Signa Treinamentos Comportamentais e Profissionais para o desenvolvimento de conteúdos capazes de ajudar na descoberta de potenciais e competências individuais, além do aprimoramento de técnicas importantes para o bom desempenho profissional, como foi o caso do vídeo Comunicação e Relacionamento utilizando a PNL (programação neurolinguística) com ênfase em Vendas.

Mas na pauta deste tipo de conteúdo também estão sendo frequentes temas relacionados aos chamados soft skills, que são aquelas habilidades focadas na relação e interação com o outro. Resiliência, empatia, colaboração e comunicação são todas competências baseadas na inteligência emocional e que, durante a pandemia, se tornaram tão necessárias.

Assim se multiplicou a oferta de produção vídeos sobre temas como: o uso das redes sociais em tempos de crise, dicas de bem-estar, de autoconhecimento e autocontrole, de como lidar com as emoções durante a quarentena ou como ter uma experiência produtiva no home office e ainda sugestões para organização de tarefas e melhorias na comunicação, além de desenvolvimento de equipes remotamente, liderança e negócios durante a covid-19 e no pós-pandemia, inteligência emocional, gestão de equipes de alta performance em meio a mudanças e etc.

Grandes empresas disponibilizaram este tipo de conteúdo por entenderem que diante de uma crise como esta, motivada pela COVID-19, a manutenção do desenvolvimento pessoal e profissional dos funcionários é essencial para que se possa manter a excelência da operação. Por isso, aproveitaram o momento de isolamento e reflexão para estimular uma cultura de aprendizado contínuo. Algumas recorreram a formatação de novos programas de treinamento que foram totalmente pensados para que as aulas pudessem acontecer de forma 100% online.

Formato EAD

A Educação à distância que nos últimos anos vinha ganhando cada vez mais relevância, acabou ampliando ainda mais espaço com a pandemia e até quem torcia o nariz para o formato teve que se adaptar. Assim, o EAD se estabeleceu definitivamente como uma nova forma de ensino, mais condizente com um mundo cada vez mais conectado. E se a forma de ensinar se transformou, é natural que o ritmo de aprendizagem também sofresse alterações. Por isso, a opção, sobretudo para os vídeos motivacionais e de desenvolvimento pessoal, é por vídeos mais curtos, com a composição de trilhas de conhecimento. Lives e webmários complementam o combo, sendo que muitas vezes os conteúdos gravados acabam servindo para turbinar e sedimentar conceitos e informações apresentados durante estes eventos digitais.

Adaptação

Com três décadas de atuação, a Rush, mais uma vez, se viu diante de um momento de profundas transformações. Desta vez, mais que evoluções tecnológicas, o que mudou foi não apenas a forma de trabalhar, por exigência do distanciamento social, a linguagem e o formato dos conteúdos audiovisuais também foram impactados pela crise da Covid-19. Hoje é preciso considerar que a audiência se divide entre inúmeras tarefas on-line e a fragmentação dos vídeos acaba deixando o aprendizado mais leve e sintonizado com a nova realidade. E depois de tempos tão difíceis e desafiadores é necessário ainda imprimir um olhar ainda mais humanizado aos conteúdos de forma que reflitam os anseios da audiência neste novo cenário.

Rushvideo – Ideias em movimento