Adeus. Não!! Apenas um até breve!

 
Por Toni Ferreira
Hoje, o mundo do cinema está mais triste, pois ficamos, na minha opinião, sem um grande ator de comédias e dramas. Robin McLaurim Williams, aos 63 anos de idade, muito novo para os parâmetros atuais, se foi ontem – 11 de Agosto de 2014. Neste artigo poderiamos comentar sobre diversas obras estreladas por ele: Sociedade dos Poetas Mortos, Patch Adams, Anjo de Vidro ou Hora de Despertar. Neste último dividindo as atenções, com a atuação sempre espetacular de Robert de Niro. Contudo, comentarei sobre um filme protagonizado por ele em 1998, juntamente com atriz Annabella Sciorra, que interpretou o papel de sua esposa, que vem a falecer e eles se reencontram além da vida terrena, em outra esfera. Um filme que me fez pensar, e muito, do porque estamos aqui. Qual nossa missão para com as demais pessoas e conosco.
Cheguei a conclusão que o acaso não faz parte dessa resposta. Estamos aqui para trabalhar, celebrar a vida junto aos amigos e familiares, aproveitar as coisas boas que a vida nos oferece. Aprender, inclusive e principalmente, com as adversidades.
Não devemos desistir de nossos sonhos ou de nossos projetos. Devemos ajudar as pessoas quando possível, sem nos importarmos com o retorno que essa ajuda possa nos trazer.
Não sei dizer se Robin Williams tinha algo em comum com seus personagens. Se alguns deles lhe acrescentou algo. Se cresceu com eles. O fato é que a fama é uma ambição de muitos, mas que pode se tornar uma maldição, pois o fardo que a ela traz é muito pesado e nem todos suportam, como no caso de Williams.
De qualquer forma o cinema sentirá a falta de suas atuações, sempre muito intensa e, para encerrar esse artigo, usarei uma frase do personagem interpretado por Williams, Chris Nielsen no filme que me inspirou essas palavras, “O que as pessoas chamam de impossível, são apenas coisas que elas nunca viram antes.”
Seguindo o roteiro desse filme, fica um até breve para todos os que não estão mais entre nós.