CONHEÇA AS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PARA O AUDIOVISUAL EM 2023

O audiovisual é um dos setores no Brasil que vem registrando crescimento acima do PIB e foi um dos
poucos que cresceu durante a pandemia. De acordo com a 22ª Pesquisa Global de Entretenimento e
Mídia 2021-2025, realizada pela PwC, sigla de PricewaterhouseCoopers uma das maiores empresas de
consultoria do mundo, a indústria de entretenimento e mídia no país deve crescer pouco menos que o
mercado global neste período: 4,7% e 5% ao ano, respectivamente. É um número, por enquanto,
superior a taxa de desenvolvimento da nossa economia (PIB) que em 2022 registrou uma alta de 2,9%.
Mas para pegar carona nos bons ventos da expansão deste mercado é preciso estar atento à rota, o que
significa acompanhar as suas demandas, que se transformam rapidamente.

Análise de dados

Hoje em dia, com a diversidade de ferramentas disponíveis, não faz mais sentido apostar no empirismo.
Por isso, é preciso investir na análise de dados a fim de conhecer o desempenho do conteúdo produzido
junto a sua audiência. De posse destas informações, é possível fazer correções e ter mais elementos
para garantir resultados superiores em novos conteúdos. Às vezes, basta uma adequação da linguagem
ou uma redução do tempo de duração. Pesquisas de mercado também são úteis para entender as
expectativas do expectador. Portanto, não negligencie os dados!

Campanhas omnichannel

Apostar em campanhas omnichannel com vídeos formatados de acordo com a necessidade de cada
público é hoje uma estratégia necessária diante dos múltiplos canais de comunicação e contato com
clientes, fornecedores e parceiros. É importante garantir que a marca esteja presente em todos os
canais relevantes e que a comunicação e a identidade visual sejam consistentes em todos os pontos de
contato. Uma campanha de marketing omnichannel pode ajudar as empresas a aumentar o
envolvimento do cliente, a fidelidade e a retenção, melhorando a sua experiência e facilitando a
interação com a marca.

Vídeos escaláveis

É preciso ter em mente que diferentes públicos-alvo acessam e consomem tipos e formatos de
conteúdo distintos. Por isso, os vídeos produzidos precisam ser adaptáveis a diferentes resoluções,
tamanhos de tela, dispositivos e canais de comunicação. Ou seja: precisam ser concebidos usando
técnicas e formatos que permitam o seu redimensionamento, sem comprometer a qualidade ou a
experiência do usuário. Somente assim é possível assegurar que o vídeo será acessível em todos os
dispositivos e canais de distribuição, o que é essencial para alcançar um público amplo e aumentar o
engajamento com o conteúdo.

Formato AVOD

Este formato de distribuição de conteúdo que pode ser traduzido como "Vídeo sob Demanda com Base
em Publicidade” (Advertising-based Video on Demand) nada mais do que o modelo praticado pelo
Youtube, no qual os usuários podem acessar conteúdos de forma gratuita, mas precisam assistir a
anúncios publicitários para financiar a sua veiculação e produção, caso dos grande players que são
remunerados pela plataforma. Os anúncios podem ser exibidos antes, durante ou depois do vídeo, e
podem ser segmentados com base nas preferências do usuário e em seus dados demográficos.

O crescimento do formato no Brasil este ano será impusionado pela Netflix que em resposta a um 2022
especialmente ruim – onde, pela primeira vez em sua trajetória, a plataforma perdeu assinantes e
amargou queda de ações, além de enfrentar a concorrência acirrada de grandes players que
desembarcaram por aqui – vai se render aos anúncios com a oferta de pacotes mais baratos e com
restrição de acesso aos conteúdos premium. É um modelo que, inclusive, deve encontrar eco dentro
deste mercado e que vai ajudar a alavancar as receitas e ampliar a base de assinantes.

Tecnologia

E por fim, porém não menos importante, é necessário acompanhar a evolução de tecnologias, como
metaverso e inteligência artificial, que tendem a alterar a forma como formatamos e consumimos
conteúdo.

Rush Vídeo – Ideias em movimento