Se você ainda não inseriu os vídeos no plano de comunicação do seu negócio, saiba que está perdendo uma incrível oportunidade. As razões para o bom desempenho do audiovisual nas estratégias de marketing são várias, a começar pelos números que envolvem o seguimento, cada vez mais robustos. De acordo com uma pesquisa realizada pela Kantar IBOPE Media, no início de 2021, o Brasil, quando comparado à média global, se destaca no consumo de vídeo. O estudo revelou que 80% dos brasileiros assistiram vídeos online gratuitos, frente a 65% dos estrangeiros. O mesmo vale para vídeos em redes sociais (72% x 57%) e nos serviços por assinatura (62% x 50%). Além disso, de acordo com dados levantados pela Hubspot, desenvolvedora de software para marketing de entrada, vendas e atendimento ao cliente, das verbas gastas hoje em publicidade digital, cerca de 40% é destinada para formatos em vídeo, com destaque para o material produzido para as redes sociais, que já consume aproximadamente 80% deste recurso, sendo que 83% dos profissionais de marketing entrevistados afirmaram que o vídeo proporciona um bom ROI (retorno sobre o investimento). Já informações levantadas pelo Google mostram que o YouTube é acessado pelo menos uma vez por mês por 95% da população online brasileira, por uma faixa etária que vai de 18 a 45 anos, superando até mesmo a TV a cabo, sendo que o nosso país é o segundo maior mercado para o YouTube no que diz respeito ao número de horas de vídeo assistidas. Ainda sobre esta plataforma, vale ressaltar que público alcançado pelas publicidades nos vídeos veiculados é de 127 milhões de brasileiros, número que representa 64,7% da população de todo o país com mais de 18 anos e quase 80% do total de usuários de internet. Portanto, não é exagero afirmar que os vídeos nunca estiveram tão em alta, indicando uma boa recuperação do formato após queda provocada pela incerteza da pandemia no início de 2020.

Abaixo listamos ainda algumas outras razões para demostrar que em tempos de criação de conteúdo, a produção de vídeos é palavra de ordem.

 

Conteúdos mais Didáticos e Adequados a Audiência

É sabido que os recursos audiovisuais geram imagens, que nos remetem a fatos reais e assim ampliam a consciência sobre o conteúdo que está sendo apresentado, tornando o processo mais dinâmico e criativo, o que resulta num maior interesse da audiência. Por isso, o conteúdo em vídeo costuma ser mais didático, ampliando o poder de compreensão até mesmo dos temas mais áridos e complexos e quando bem executados, podem ser bem inspiradores.

Obviamente, que para um resultado eficiente é preciso investir numa produção de qualidade, que leve em conta, inclusive, o tipo de mídia onde o material será consumido. O uso de recursos como animações, efeitos especiais e gráficos, também ajudam a tornar o material mais atraente e são ótimas ferramentas para apresentar visualmente temas e/ou contextos mais abstratos. Aqui vale atenção extra à duração. Conteúdos demasiadamente longos tendem a cansar e gerar dispersão. O YouTube permite carregar até 12 horas de vídeo, entretanto, são os materiais de até 2 minutos os que apresentam as melhores taxas de engajamento. Por isso, considere, se necessário, dividir os vídeos em blocos menores, criando a possibilidade de serem assistidos na sequência ou em momentos distintos.

Em tempos de pluralidade de plataformas, também vai largar na frente quem criar o conteúdo audiovisual certo para o público com quem pretende se comunicar e ainda quem estiver atento as particularidades das mídias onde será veiculado. E preciso ainda lançar mão de todos os dados disponíveis e transformá-los em aliados na hora de produzir conteúdo. Estas referências possibilitam

insights qualificados que permitem dar atenção a detalhes que podem agregar valor ao conteúdo, permitindo um resultado mais assertivo. Esta estratégia, inclusive, ajuda na redução de custos ao auxiliar na escolha dos parâmetros de produção, ou seja, o tipo de material a ser produzido, o público-alvo, plataforma de divulgação e etc. São providências necessárias para criar uma conexão com a audiência e conseguir engajamento. Hoje, criar conteúdo em vídeo apenas pautado numa boa ideia não é mais uma alternativa viável, é preciso analisar toda sorte de dados disponíveis que vão ajudar, inclusive, a promover ajustes de rota se o vídeo não estiver performando da maneira adequada.

 

Formato mais Consumido

A Cisco, a gigante em fornecimento de equipamentos para internet, promoveu um levantamento referente ao tráfego global na internet entre 2018 e 2022 e previu que em 2022, apenas 18% não será voltado ao consumo de vídeos. De acordo com a previsão, globalmente, cerca de 3 trilhões de minutos ou 5 milhões de anos de conteúdo de vídeo circularão pela internet mensalmente até 2022. Isso corresponde a 1,1 milhão de minutos de vídeo sendo transmitidos ou baixados a cada segundo.

 

Impulsionando o Ranqueamento

O Google valoriza cada dia mais os conteúdos em vídeo. Por isso, investe continuamente no aperfeiçoamento dos algoritmos para a identificação de materiais de qualidade, impulsionando-os para o topo da página de busca. Isso acontece, especialmente, se o vídeo gerar engajamento com a marca e com o produto, o que também, inevitavelmente, alavanca o tráfego orgânico, espontâneo.

Além disso, o YouTube, plataforma de compartilhamento de vídeos, é o segundo mecanismo de busca mais utilizado, perdendo apenas para o próprio Google. Sendo assim, investir na produção de conteúdo em vídeos também é um excelente investimento para conseguir um retorno positivo em SEO, que é o conjunto de estratégias usadas para potencializar e melhorar o posicionamento de um site nas páginas de resultados orgânicos, sem impulsionamento pago, aparecendo no topo das páginas de pesquisa.

 

Conteúdos Responsivos

Uma outra vantagem dos vídeos e a possibilidade de assisti-los em qualquer lugar, em diferentes dispositivos, desde que se tenha acesso à internet. Para garantir uma boa experiência ao usuário, é recomendável hospedá-lo em grandes plataformas, que possibilitam o acesso através de smartphone, tablet, Smart TV ou notebook, além da possibilidade de compartilhamento com outros usuários, ampliando o número de visualizações.

As alternativas de criação de conteúdo em vídeo também são infinitas, indo desde depoimentos, passando por tutoriais, dicas de uso, curiosidades, entrevistas e etc. É ainda um formato aceito em todas as redes sociais, como Instagram, Facebook, Twitter, TikTok, Tumblr, além de aplicativos de conversas como WhatsApp e Telegram, o que também ajuda a turbinar o seu alcance. Por tudo isso, a produção de conteúdo em vídeo é uma estratégia de marketing que deve se manter sólida por muito tempo, sendo peça fundamental para fortalecer a presença digital, seja de pessoas ou marcas.

Rush Video – Ideias em movimento